RO tem mais de 600 mil dependentes químicos

Especialista alerta para os cuidados com os jovens, os mais vulneráveis às drogas.

O lamento familiar foi a tônica da abertura solene do Seminário de Enfrentamento ao Uso Indevido de Álcool e Outras Drogas, do governo de Rondônia, na noite da última terça-feira (28), no Teatro Estadual Palácio das Artes, em Porto Velho. O vice-governador Daniel Pereira lembrou o sofrimento do pai com excesso de bebida alcoólica em Luiziana (PR), e a superintendente estadual de políticas sobre drogas, Isis Queiroz, contou o drama do irmão que morreu em consequência da dependência química, em Ariquemes.

Cerca de 400 alunos de diversas escolas ouviram o desabafo de ambos e também o comprometimento do governo em ofertar recursos diretamente às famílias, na busca de soluções para graves problemas físicos e psicológicos decorrentes dessas doenças.
Mea culpa em relação à própria classe política e o preconceito com pessoas em situação de risco fizeram o breve discurso do deputado Alex Redano (PRB). Ele defendeu maior empenho para investimentos no trabalho de igrejas e comunidades terapêuticas, “a melhor mão de obra que resgata pessoas desse submundo. O Estado Brasileiro vive às voltas com a hipocrisia porque, ao mesmo tempo em que faz política preventiva, permite a venda e o consumo desenfreado de bebidas”, ele disse.
“Minha família foi despedaçada. Meu irmão consumiu muito e a rua inteira onde a gente morava foi levada pelas drogas em Ariquemes”, relatou Isis.

Mostrando projeções na tela, uma delas lembrando os 1.440 quilômetros de fronteira brasileira com a Bolívia em Rondônia, a superintendente conclamou a população, acadêmicos e profissionais a “se darem as mãos, abrindo o coração para o debate”.

Para Isis, no sofrimento muito se aprende. Segundo dados da Sepoad, Rondônia tem atualmente 679 mil usuários de drogas [37,99%] do total brasileiro. “Rondônia é o 7º Estado brasileiro em consumo de bebidas alcoólicas (25,9%)”, ela frisou.

Fonte: AssessoriaA7-1-copy-11